15 coisas irrelevantes sobre mim


01 – Escrevi meu primeiro romance com 09 anos de idade. Chamava-se "Irmãos de Sangue". Eu ainda me lembro da história toda. Escrevi a mão em um caderno brochura pequeno.

 

02 – Ganhei minha primeira máquina de escrever aos 12 anos. Minha mãe pediu que eu escolhesse entre uma boneca e a máquina de escrever... Eu escolhi!

 

03 – Eu tinha medo de gatos aos 07 anos quando ganhei meu primeiro gato, o Negrinho!

 

04 – Sailor Moon foi o primeiro anime pelo qual me apaixonei de verdade. Meu apelido é sim por causa dela. E eu ainda sou apaixonada por ela!

 

05 – Meu único ídolo sempre foi Michael Jackson. Fiquei doente quando ele morreu. Chorei todas as noites por mais de 15 dias.

 

06 – Não como salada de cenoura nem sob tortura. Mas tomo suco e como bolo.

 

07 – Eu sei mentira quase perfeitamente, mas evito exatamente por esse motivo. Faz parte de um código de conduta pessoal que eu não quebro e que inclui coisas como não julgar.

 

08 – Eu não sei sentir raiva por mais de 24 horas – bem menos na verdade.

 

09 – Lembro do nome e do sobrenome de todos os meninos dos quais gostei desde os 07 anos de idade!

 

10 – Só tive um namorado sério até hoje!

 

11 – Tatuei o nome de uma amiga no meu braço. Não foi planejado, decidi no dia que tatuei, quando já estava no estúdio.

 

12 – Eu sou arrogante, perfeccionista, carente e possessiva, mas nunca escondi isso de ninguém.

 

13 – Já fui coroinha, cresci na umbanda, freqüentei centro espírita... Hoje eu não tenho nenhuma religião.

 

14 – Eu não faço tipo. Quando eu digo algo é por que realmente penso/sinto assim. Seja bom ou ruim.

 

15 – Eu NUNCA minto. Só pra reforçar. Não minto por que não gosto.



- Postado por: Luh Moon às 21h55
[ ] [ envie esta mensagem ]


♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・




Confissões, reflexões, constatações e teorias...

Então é isso!

Sinto-me como alguém que acordou do coma após 10 anos! Num corpo estranho, num mundo estranho, onde nada faz muito sentido, onde as pessoas agem estranhamente e onde não consigo me encaixar de modo algum.

Tem sido complicado!

Viver uma fase de redescobertas e novos aprendizados nessa altura da vida é no mínimo desgastante.

Eu não tenho mais tempo suficiente para assimilar o que está mudando, lamentar o que está indo embora e receber o que está chegando. Tem sido tudo muito intenso e assustador.

Não consigo abolir esse habito de pensar na vida - embora, eu realmente não saiba qual é o bem que me faz – e continuo refletindo sobre mim e a minha vida.

Parece que a todo o momento começo uma nova fase... E isso tem sido muito cansativo. Não tenho mais aquele sagrado tempo de sonhar acordada e experimentar as sensações do que estou vivendo... Sabem o que quero dizer? A adolescência descompromissada já acabou pra mim!

Embora eu possa parecer uma adolescente – e até agir e pensar como uma – não sou mais uma! Eu tenho outras preocupações aqui no bolso e outros objetivos. Estou correndo em busca de um tempo perdido... Cerca de dez anos, como eu mencionei anteriormente.

Não sei direito como foi que isso aconteceu!

Eu era uma adolescente, cheia de vida e de confiança, com o futuro brilhando à minha frente e, por algum motivo, que ainda não descobri bem qual foi, eu me acovardei diante da vida, diante dos acontecimentos... Corri e me escondi.

Pois bem! Ninguém descobriu meu esconderijo, ninguém me encontrou ou me resgatou. Não veio nenhuma fada, nenhum príncipe em cavalo branco e, eu fiquei lá, escondida e sozinha por tanto tempo que nem sabia voltar a viver, nem sabia por que tinha me escondido.

Agora que o período de hibernação terminou e que estou de novo com os olhos abertos, eu estou confusa e perdida. Confesso!

A maioria das pessoas me vê como forte, inabalável, capaz de ‘quase’ qualquer coisa. Por quê? O que foi que deu essa idéia a elas? Eu me sinto tão covarde diante de tudo o que é novo e desconhecido, eu me sinto tão sem habilidade...

Algumas pessoas dizem que eu sou mal-humorada, perigosa, assustadora... O que em parte eu tenho que concordar. Sim! Por que eu sei o gênio que eu tenho e, admito, não sou uma pessoa agradável o tempo inteiro. Sou mesmo um tanto mal-humorada, rabugenta.

Mas outro dia ainda, pensando sobre a instabilidade do meu temperamento, descobri que havia pessoas que gostavam muito de mim e que não viam esse lado negativo. Alias, eram bem mais pessoas do que eu imaginava. Daí eu comecei a me perguntar até onde eu realmente sei quem sou eu?

Sempre fui um pouco orgulhosa em me conhecer muito bem e saber o que estava sentindo enquanto a maioria das pessoas fazia uma grande tempestade por coisas menores. Mas... Quem disse que isso é verdade? Quem disse que o que eu acho que sei não é apenas uma farsa muito bem representada?

Eu costumo dizer - e algumas pessoas duvidam - que eu sou uma grande farsa, uma bela mentirosa. Não tomem isso literalmente. Não minto por prazer ou conscientemente. É isso que eu dizia... Em algum lugar, há muitos anos, eu comecei a fingir ser alguém que eu não era... E fui tão bem sucedida nisso que comecei a confundir a mim mesma. Hoje eu não tenho mais certeza do que é real e do que foi inventado, do que são meu sentimentos e o que são as coisas que eu acho que eu devo sentir, por que eu configurei esse personagem pra mim.

E por causa disso, obviamente, não sei o que é que eu estou transmitindo para as pessoas. O quanto os outros vêem de verdade? O quanto eles vêem daquilo que eu criei? Onde é que se separar o meu “eu real” desse personagem que se fundiu a minha personalidade num tempo tão distante que eu sequer consigo me lembrar?

Eu não tenho tempo pra crescer agora... Não tenho tempo para crises de identidade... Não tenho tempo de ser adolescente... Mas tudo o que eu tenho na mão é um punhado de questionamentos e poucas respostas...

Algumas pessoas dirão que o reconhecimento do problema é um grande passo na direção da solução. Eu acredito nisso e é por isso que escrevo... Reflito...

Tudo tem me causado grande espanto ultimamente! Como descobrir que eu não tenho mais certeza sobre as coisas que eu realmente gosto ou quero... Exceto algumas...

Eu sei que gosto de “E o Vento Levou”, é meu filme preferido, meu livro preferido... Eu sei que gosto de doces e gosto de tempo frio e nublado. Isso continua igual, forte e firme aqui dentro. Mas tem outras coisas que ficaram abaladas, como se um terremoto tivesse sacudido as minhas estruturas e tirado muita coisa do lugar...

Até onde é verdade que eu gosto de ser solitária?

Até onde eu sou antissocial e até onde eu fujo das pessoas?

Até onde eu realmente me aceito como sou?

Até onde ainda estou buscando aceitação?

Sinceramente, me sinto um ser partido ao meio... Em que as duas metades são absolutamente opostas.

Sempre me pareceu fácil lidar com essas duas metades de mim que sempre estavam em conflito. Ultimamente, porém, eu não tenho agüentado mais tanta tensão. Estar no meio de um cabo de guerra o tempo inteiro é perturbador!

Eu não tenho mais certeza de nada! Não tenho certeza dos meus sentimentos, do que quero fazer, do que não quero...

Crise de identidade... resumidamente é isso.

Seria muito tranqüilo se eu tivesse 18 anos... Mas eu não tenho muito tempo para pensar nisso...

Tenho medo, sabem... Medo de mudar... Mas não dá pra temer o inevitável não é mesmo?

A resistência é a pior atitude que se pode tomar diante de uma mudança, mesmo que ela não seja bem vinda. Resistir ao inevitável causa todos esses conflitos e problemas... Eu sempre soube disso e sempre fiz isso... Isso faz de mim uma idiota?

Acho que é a hora de parar de resistir e me entregar... Acho que finalmente chegou a minha hora de crescer...

 

 



- Postado por: Luh Moon às 17h52
[ ] [ envie esta mensagem ]


♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・




“Não trate como prioridade quem te trata como opção”

 

 

Essa frase não faz o menor sentido para mim, simplesmente por que não sou, nem nunca fui prioridade na vida de ninguém. Eu sempre fui opção, às vezes a segunda freqüentemente a ultima. Sempre fui à última da lista, a que era deixada em segundo plano, a que podia esperar, aquela que ia entender, a última a ser lembrada ou citada. Eu sempre venho depois na vida das pessoas. Sempre foi assim, como se na maior parte do tempo  eu fosse transparente ou simplesmente invisível. Às vezes é como se eu não existisse...

Ser ignorada por tanto tempo me fez deixar de perceber quando isso acontece, mas quando são os amigos... Eu ainda noto, eu ainda sinto! Não fiquei insensível, como possa parecer às vezes.  Embora esse isolamento todo tenha me ensinado a me fechar, a ser silenciosa, solitária, ás vezes sombria... Que escolha eu tinha?  Eu nunca fui a escolha de ninguém, pelo menos nunca a primeira escolha, muito menos a única. Era uma questão de sobrevivência reconstruir meu mundo de um modo em que ficar sozinha não fizesse diferença.

É claro que eu tentei justificar isso... Quando eu era criança costumava desculpar o fato de sempre ser deixada pra trás por ser a única criança num mundo de adultos. Mais tarde, justifiquei meu isolamento pelo fato de ser gorda. Quem ia querer andar com a gordinha? E por usar óculos... Afinal, eu não podia correr e brincar como as outras crianças, não é mesmo? E depois... Bem, a essa altura eu já tinha me transformado numa criatura anti-social por natureza, implicante, rabugenta... Foi a minha vez de começar a afastar as pessoas... Pelo menos eu pensava que era assim. Mas não era, nunca foi. Eu só aprendi a me retirar antes que começasse a doer demais.

Eu sei que tenho um problema com o tal egoísmo. Só não tenho certeza se o problema é a ausência total do tal, amando indiscrimidamente as pessoas e alçando-as a grandes status de importância aleatoriamente ou então, o excesso dele, exigindo que as pessoas se importem comigo tanto quanto me importo com elas. Quem pode saber?

Por algum tempo eu cheguei mesmo a acreditar que as pessoas me deixavam de lado, feito comida rejeitada no canto do prato, apenas por acreditarem que eu era forte e auto-suficiente. Bobagem! Eu não era, não sou... Ninguém é! Mas hoje eu até que me saio bem em fingir que sou, que eu me basto!

Mas o que me assusta é perceber que eu não consigo mais uma justificativa plausível para continuar sendo a última da lista... As mesma pessoas que dizem me amar, não fazem de mim mais que uma opção em suas vidas, talvez uma muito boa, mas não passa disso: uma opção. Acontece o tempo todo! Mesmo quando eu estou conversando animadamente em um grupo, de repente, quando eu olho de novo, o grupo se fechou, estão rindo e eu perdi a piada e fiquei de fora. A partir daí todas as minhas tentativas de reaproximação ficam parecendo demais com tentativas desesperadas de chamar atenção, de implorar para participar... e sempre fracassam miseravelmente.

Parece que absolutamente todos a minha volta tem a incrível capacidade de seguirem com suas vidas sem mim... Infelizmente eu nunca aprendi a fazer isso direito. Eu sigo, mas é sempre como se uma parte irreparável da minha alma tivesse sido amputada.

Pensando bem eu nunca fui prioridade sequer para mim mesma. É alguma coisa que eu não compreendo e que não sei como fazer. Eu sinto esse tipo de amor esquisito, entregue, sem limites e sem contestação... Dizer que é amor irrestrito ou incondicional creio que seja um tanto de arrogância de minha parte, mas, de todos os tipos de amores que eu conheço, esse que aprendi a sentir, me parece muito com esse outro que nomeei. Seja como for, é o único tipo de amor que eu sei... E por ser desse jeito, ele não exige de volta o mesmo tanto! Eu costumo me satisfazer com quaisquer desses amores ordinários que se possa conquistar, qualquer um, exceto amor de ocasião... Sabem como é? Aquele tipo de amor que só aparece quando o outro precisa desesperadamente de você? Esse tipo de amor magoa, machuca... É um amor parcial, fragmentado e, na verdade, nem sei se isso é mesmo amor ou apenas conveniência.

De minha parte, não sei amar de outra maneira. Não consigo! Ou amo tudo, ou não amo nada! E quando eu digo que não amo nada, não estou falando de ódio. Há quem ainda não saiba, mas o contrário de amor não é o ódio e sim o desprezo... Então quando eu não amo nada, sou indiferente... Infelizmente, depois de ser invisível por tanto tempo, aprende-se a ser indiferente quase o tempo todo... quase com todo mundo.

E me assusta, como eu dizia antes, perceber que, mesmo quando eu me atrevo a me importar, me entregar e amar, a pessoas a quem escolho e que parece que me escolhem, o mesmo velho ciclo se cumpre... E eu continuo sendo a opção, a segunda escolha, a última da lista, aquela que pode ser deixada para depois...

Não que eu me importe em ser deixada pra lá... uma vez ou outra... realmente não me importo. E também não me importo de esperar a minha vez... O caso é que quando deixamos algo pra depois, geralmente esquecemos... E é o que tem acontecido comigo, sistematicamente, desde que eu consigo me lembrar: as pessoas se esquecem de mim...

Nunca há ninguém lá para mim... Ou quase nunca, para ser absolutamente justa. O mais frustrante, mais triste, mais dolorido é que eu estou sempre aqui para todo mundo... E não conheço ninguém que se furte de me procurar quando está precisando, nem eu quero que deixem de fazê-lo... Mas eu acho tão ruim que as pessoas só queiram compartilhar comigo suas dores e tristezas... E, além disso, quando são as minhas, são apenas dramas, nada que deva ser levado a sério... Pelo menos é assim para a maioria.

Sinceramente eu não deveria me importar com isso, a essa altura das coisas, pois eu já sou do jeito que sou, graças a todo esse isolamento constante e sistemático. E eu não lamento ter me tornado uma pessoa, até certo ponto, intratável, antissocial, irascível, impaciente, não lamento de nenhum modo a minha vida solitária...

Talvez eu seja apenas paranóica... Ou talvez eu esteja considerando os amigos errados... Quem pode saber?

 



- Postado por: Luh Moon às 22h00
[ ] [ envie esta mensagem ]


♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・




Finalmente... 30 e tantos...

 

Essa conversa de fazer 30 anos andou mexendo com a minha cabeça.

Andei me sentindo cansada, da vida sabem? É como se o tempo tivesse encurtado ou estivesse acelerado. Eu não sei... Aliás, essa é a expressão perfeita: eu não sei.

Tenho a impressão de que vim de lugar nenhum e estou indo para lugar algum. Entendem? É como se eu tivesse acordado no meio do deserto e sem memória! Tudo bem, talvez isso não tenha nada a ver com cronologia e idade... Mas, quem sabe?

Sei apenas que estranho tudo ultimamente. Não reconheço as manhãs, nem as horas, nem o ritmo do tempo. Parece que de repente mudaram o cenário, o roteiro, o andamento e se esqueceram de me avisar! Sabem aqueles sonhos estúpidos em que você aparece nu ou de pijama na escola e não sabe o que fazer? Pois é exatamente assim que me sinto... Perdida!

Mas isso foi antes de chegar finalmente a minha terceira década de existência... Não que todas essas sensações estranhas tenham desaparecido como por encanto, não! Mas algumas coisas parecem menos assustadoras agora.

Eu ainda olho para trás, para aqueles que cresceram comigo e não reconheço suas vidas como sendo aquilo que eu deveria estar vivendo também. Foram eles que correram demais ou eu que andei muito devagar? E não são só as coisas práticas do dia-a-dia... Tem a ver também com os pensamentos, as reflexões, os desejos, os sonhos...

Sou acusada de ser idealista demais... Não posso discordar. Alguns dizem que “já tenho idade para parar de sonhar”, disso eu discordo. Não sei quem foi que impôs essas barreiras onde as coisas têm que terminar, mas eu não concordo muito com elas. Há quem diga que, apesar da minha idade, sou uma adolescente ainda... Não tomo como julgamento, nem elogio, nem reprimenda, talvez até seja verdade! O caso é que continuo naquela situação desconfortável em que alguns me consideram madura demais, e outros infantil demais.

Certo! Não sou um exemplo de pessoa centrada, embora seja responsável e até mesmo bastante conservadora em algumas posições e posturas... Mas sei que sou impulsiva, passional, distraída etc. Então, se são essas coisas que distinguem os adultos das crianças, nem eu mesma sei o que sou.

Às vezes tenho que admitir que me sinto um monstrinho... Alguma coisa disforme, meio incompleta. Um pouco torta pra um lado talvez... De fato! Sinto como se eu fosse alguma planta que alguém começou a podar e esqueceu-se de terminar...

Mas agora tenho mais de trinta anos e... Isso não muda coisa nenhuma.

Ainda sou a mesma pessoa, com os mesmo – maus- hábitos... Alias, acho até que fiquei um pouco pior do que antes, visto que revisei algumas posturas pessoais e ainda estou revendo algumas atitudes da minha própria pessoa.

Foram os 30 e vieram os 31 e eu? Continuo a mesma pessoa de sempre... A mesma...



- Postado por: Luh Moon às 02h17
[ ] [ envie esta mensagem ]


♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・




Um sentimento estranho

Faltam dois dias...

Eu sempre dei ouvidos ao meu sexto sentido, aquela voz que fica soprando coisas no seu ouvido... Pois é, mas desta vez meu sexto sentido me pôs numa encruzilhada!

Hoje, enquanto arrumava as malas pra viajar, percebi que não sentia coisa alguma, exceto uma angustia inexplicável e uma vontade de largar tudo o que eu estava fazendo! Se alguém me perguntar se estou ansiosa em ir, eu teria duas respostas: conscientemente, é claro que sim! Tenho saudades da minha amiga e quero muito ver o show. Inconscientemente, porém, tem alguma coisa me cutucando, me incomodando e insinuando que eu não devia ir... Como eu faço numa hora dessas?

Passagem aérea comprada, ingresso na mão e, mais importante que isso, minha palavra empenhada a uma amiga... Rara ocasião em que eu não posso obedecer meu sexto sentido de jeito nenhum! Mas essa sensação não passa... De que tem alguma coisa pra acontecer...

Se pelo menos intuição fosse uma coisa mais especifica... Mas a gente nunca sabe o que é! Se é bom ou ruim, se está perto ou longe... De repente não tem nada a ver comigo, ou Nada a ver com a viagem... Como eu vou saber?

O fato agora é que minha mala está quase completamente pronta – e eu descobri que não sei fazer uma mala direito! ¬¬ . É difícil escolher o que levar quando se é como eu. Isto é, alguém que não tem muitas roupas – basicamente calças, bermudas e camisetas! E o medo de passar vergonha? De não ter o que vestir? Ah! Azar é o meu! Metade do meu guarda-roupa nem me serve mais mesmo! XD

Raila puxou minhas orelhas por que só uso tênis – All Star mesmo! Tenho cinco pares! XD Mas é que que larguei as baladas faz tempo e não tenho mesmo vida social... Ah! Eu tenho sapatos! Uns bem bonitos até! Mas meus joelhos não me deixam mais usar salto alto! Ahahahahahahaha

Então cá estou com as indecisões da mala semi-pronta e esse sentimento esquisito que fica fazendo eco aqui dentro. E lá vamos nós...

 

 

Em tempo: Tomei uma decisão ontem! Rompi com uma amiga que por algum tempo considerei a pessoa mais importante da minha vida! Bobagem! A pessoa mais importante da minha vida sou eu, oras! E bem, isso não vem ao caso agora. O caso é que tentei de todas as formas manter contato, manter o laço, manter a amizade... Depois passei a bola pra ela, que até tinha dito que se esforçaria mais neste ano! Mas ela só fez se afastar mais e mais... Cansei disso! Não gosto de amigos pela metade, amigos de ocasião, amigos de alguns momentos... Ou é meu amigo o tempo todo, 100% ou não é... Ela não é... Nunca foi!  Sem jeito



- Postado por: Luh Moon às 18h08
[ ] [ envie esta mensagem ]


♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・




Estou indo pra Brasília

 

Faltam 7 dias...

 

Pois é! Há mais ou menos 2 anos atrás eu fiz as malas e fui passar 3 dias em SP. O objetivo? Assistir ao show dos Backstreet Boys e nada mais!

Loucuras de fã! Coisa que só se faz uma vez na vida!

Errado!

Eu fiz de novo!

Cá estou eu em contagem regressiva para ir pra Brasília! Mas desta vez o objetivo é duplo! Assistir ao show dos Backstreet Boys e visitar minha amiga!

Viagem solo desta vez, sem as amigas todas que estiveram lá há dois anos. Ah! Sim, elas vão ao show... Outro show, mesmos meninos, outra cidade. Vôo solo desta vez pra mim!

Se alguém me contasse que eu embarcaria outra vez nessa doideira eu não acreditaria! Por que eu faço isso? Bem, talvez porque só se vive uma vez e além de ver um grupo que realmente eu amo, estarei por algum tempo perto de uma amiga que eu realmente amo também. São apenas os motivos do coração!

Dinheiro a gente ganha, tempo a gente arruma... Amor a gente tem que curtir, do jeito que vier, seja aqui ou em Brasília!

Emoções totalmente diferentes desta vez! Em 2009 era a primeira viagem de avião, o primeiro show internacional, o primeiro encontro com muita gente...Uau! E foi vertiginoso, rápido e inesquecível!

Agora, é a primeira vez na casa de uma amiga “virtureal”, a segunda viagem de avião, o segundo show internacional e o primeiro soundcheck! Ah! O SC (soundcheck)... Nada de muito grandioso, apenas um Silver  (que é uma graduação do soundcheck dos meninos da rua de trás!). Não tem nada de muito especial! Ver os meninos de perto, foto grupal com o grupo e só! Só?

Ok! O pessoal que comprou Platinum deve estar com problemas pra dormir! Essa versão dá direito a foto individual e passeio pelos bastidores... Ou mesmo quem levou o Gold! Mas convenhamos, pro tamanho do meu bolso, esse Silver aí ta até grandioso demais! Trocando metros de distância por centímetros... Dinheiro bem empregado! Em minha opinião!

E agora, de repente, faltam só sete dias...

Tudo vai chegar feito um turbilhão...

O que vai ser? Como vai ser?

É esperar pra saber...



- Postado por: Luh Moon às 02h06
[ ] [ envie esta mensagem ]


♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・




Um novo ano...

 

Uma Nova História

 

Mais um ciclo chega ao fim! Final de história, fim de enredo. E como todo o final, ele traz consigo a possibilidade de um novo início.

Muitas vezes chegamos cansados às últimas páginas, quase sem coragem para ver o final. A história não foi exatamente como esperávamos. Aquele nó ainda não desatou, aquele romance não emplacou, o plano não se concretizou...

É um fato que não podemos mudar nada no passado! Não dá pra voltar lá e fazer tudo de novo! Impossível corrigir os erros que já passaram ou fazer dar certo o que já acabou. Não dá pra corrigir a história que foi escrita!

Mas finais também reservam surpresas. Um novo livro totalmente em branco, pronto parar ser preenchido com o que quisermos, o que pudermos pensar, criar e realizar.

Está tudo vivo e pulsante em nossas mãos! Os desejos, os planos e os sonhos! Podemos jogar fora tudo o que não deu certo, começar de novo e fazer dar certo.

Além de planejar, fazer gráficos e rascunhos, que tal ser colássemos uns adesivos coloridos? Usássemos canetas perfumadas e com glitter? Podemos decorar a capa da nova historia com fitas e fotografias... E tornar a historia mais leve, mas agradável e mais feliz.

Todos os finais de ano fazem esse mesmo balanço, paramos e pensamos em tudo o que conquistamos e o que não conquistamos... E por algum motivo, sempre parece que ainda não foi o suficiente. E se olhássemos de outro jeito?

No fim, o que fica são as lições que aprendemos, os amores que compartilhamos, os sonhos que sonhamos... E se não deu certo, no fim só descobrimos que ainda temos tempo para tentar de novo e fazer melhor!

E se 2010 não foi tudo aquilo, pra quê chorar?

Aí vem um ano todo novinho pela frente e ele foi feito só pra você!

E você pode começar escolhendo olhar as coisas de outro jeito... Ver o copo meio cheio, quem sabe? Ver o melhor lado das pessoas, dar uma segunda chance para a vida, colocar um sorriso novo no rosto, ver oportunidades nas dificuldades, tirar crescimento e aprendizado dos desafios. Que tal?

Que nesse novo ano todos nós possamos aproveitar o que aprendemos e sermos melhor em tudo o que fizermos! Que sejamos melhores amigos, filhos e pais! Que possamos ser menos egoístas e nos doarmos mais, e assim aprendermos que quanto mais nos damos, mais ganhamos!

Que saibamos valorizar cada pequeno momento e cada pessoa em nossas vidas! Que sejamos capazes de sorrir para os estranhos e cumprimentar os vizinhos. Que possamos ser capaz de nos importar com o bem estar do próximo e sermos seres humanos melhores.

Talvez sejam utopias de final de ano, talvez a vida corrida não nos dê oportunidade para tanto, mas se posso ter um único desejo de ano novo, desejo que todos nós possamos viver em um mundo melhor em 2011!

 

“... Se você se importa o suficiente com a vida, faça um pequeno espaço, faça um lugar melhor.

Cure o mundo! Torne-o um lugar melhor, para você e para mim e toda a raça humana!”

 

Luh Moon



- Postado por: Luh Moon às 19h08
[ ] [ envie esta mensagem ]


♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・




Quem você é quando não é ninguém?

 

Não sou a mãe, nem a irmã

E filha, quase não sou mais

Então quem sou?

Não sou esposa, noiva ou namorada

Não sou professora nem empregada

E estudante? Será que sou?

Não sou essa aqui, nem aquela ali

Não faço o tipo

Não sou da turma

De que grupo eu sou?

Não tenho religião

Não sigo a nação

Não sou a mocinha

E o bandido eu não sou

Poeta? Vilão?

Um tonto peão?

Não sei cantar a canção

Não sei ao certo a direção

Será que estou perdida?

Acho que perdi o trem

Cheguei depois da partida

Não ouvi a citação

Perdi a apresentação

Não me lembro da diretriz

Fiquei em meio às feras

Na penumbra

Por um triz...

Certeza só tenho uma

Mesmo sem saber quem sou

Ao certo sou alguém feliz!



- Postado por: Luh Moon às 23h34
[ ] [ envie esta mensagem ]


♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・




Da Metamorfose

 

Acordei sem saber quem era

Não me reconheci, me estranhei

Não sabia o que via

Desconheci a imagem no espelho

Quem era aquela?

O que era aquilo?

Aquilo era real? Vivia?

Respirava e se movia

Mas vivia? Será que vivia?

Quis dormir e voltar a mim

Mas o sono não vinha

E eu permaneci não sendo

Ou sendo quem não era

E o que era?

Eu não sabia

Sabia que acordara assim

E fosse o que fosse

Aquilo era eu

Eu era aquilo

Aceitei sem choro

E de tão estranho

Deixei ser por ser

Mas juro que até agora

Ainda não sei o que sou...



- Postado por: Luh Moon às 21h48
[ ] [ envie esta mensagem ]


♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・




Céu Azul

 

Fechei a janela

Aprisionei parte do céu

Dentro do meu quarto

Aquele azul gelatinoso

Seguiu flutuando

Azul, mole, liquefeito

Demorou-se alto

Depois caiu

Despencou sobre mim

Azul e pegajoso

Cobrindo-me toda

Muito azul, todo azul

Caiu junto do solo

E foi se desfazendo

Assim meio gasoso

Azul claro

Muito clarinho

Quase transparente

E sumiu!

Mas para não me desmentir

Olhe ali!

Ficaram nas paredes

As marcas das nuvens!

 

(de um sonho que tive)



- Postado por: Luh Moon às 18h32
[ ] [ envie esta mensagem ]


♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・




Do Riso...

 

Rir me dói o rosto

Não é da minha natureza

Obriga a vestir mascara

Uma farsa mentirosa

Rir tem um quê de suavidade

Que não comporta minha rudez

Meu rosto é duro

É de franzir sobrolho

Rir não me pertence

Estica os lábios

Distende os músculos

Desfaz a tensão

Rir faz doer

Meus lábios são tesos

Meus músculos tensos

É assim que são

E assim devem permanecer

Rir me dói o rosto

Mente quem sou

Disfarça o meu eu

O riso

Simplesmente

Não me pertence!



- Postado por: Luh Moon às 18h47
[ ] [ envie esta mensagem ]


♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・




Por que eu não sou igual a todo mundo?

 

 

Por que será que eu não consigo isso de ser como todas as outras pessoas? Perseguir as mesmas ambições e desejos... Ter os mesmos sentimentos e anseios, como qualquer ser vivendo do Século XXI? Não raro me apanho no mesmo questionamento... Seria bem mais simples viver –sobreviver- se assim fosse. Mas, não sei por que motivos, eu não sou assim.

Nascida no meio da geração Y, em uma sociedade baseada e sustentada pelo consumo, eu estou longe de ser uma típica jovem-adulta do meu tempo. Com outros interesses, outras prioridades e outro conjunto de valores eu me pareço muito mais com meus avôs, ou, vá lá, um hibrido entre a geração de meus pais e de meus avôs.

Desde criança eu percebi que havia qualquer coisa de distante entre o que se esperava de mim e as coisas que se passavam no meu espírito. Nem as brincadeiras das outras crianças me atraíam, nem seus assuntos, nem nada... Não foi diferente na adolescência e não é diferente agora.

Confesso que eu persegui por muito tempo o modelo típico: ser, sentir e agir igual a todo mundo. Gostar das mesmas coisas, ir aos mesmos lugares, ter os mesmos interesses... Nunca funcionou. Eu sempre me sentia deslocada quando me forçava a estar em um lugar onde eu realmente não queria estar ou quando me esforçava a falar sobre alguma coisa que não me tocava de nenhum modo.

Volta e meia eu ouço o discurso de que eu vivo em uma sociedade que possui determinados costumes e que eu devo segui-los, por que eu sou membro dessa sociedade. Que eu devo seguir o mesmo ritmo e rituais por que é assim que deve ser. Mas eu cheguei a conclusão que não consigo...

É lamentável para mim. Embora as pessoas ajam como se fossem elas as prejudicadas por meu comportamento discordante e meus pensamentos não ortodoxos, quem mais sofre nessa história sou apenas eu. É extenuante ter que se reprogramar constantemente para seguir um comportamento pré-determinado, condizente com a minha idade, minha posição social, meu círculo de amigos, minha condição cultural... É extremamente desgastante ter que desenvolver alternativas aceitáveis para meu comportamento natural... Acima de tudo é perturbador e doloroso ser obrigada a fingir, mentir e calar quase que em tempo integral, à pena de sofrer coerções apenas por ser diferente.

Especialmente para mim... Dentre as coisas particulares do meu conjunto de valores e do meu código de conduta está a aversão natural pela mentira. Não que eu julgue quem a pratica, apenas não consigo conviver com essa prática. Mentir pra mim é doloroso simplesmente por que eu não acredito na sua necessidade e sequer a entendo. Faz parte de outro dos meus valores: fazer o certo pelo certo, não pelo receio de ser punido.

Eu nem me sinto vítima, nem me sinto culpada... Só não sei mais como eu devo me comportar. É uma confusão só! Há ocasiões em que eu simplesmente não sei o que fazer, o que falar e nem mesmo o que pensar. Fico presa entre a minha consciência e aquilo que me é permitido. Desconfortável é o mínimo que posso dizer de como me sinto.

Há muito tempo minhas limitações sociais ultrapassaram o limite da aparência. Desde que eu percebi que os limites e barreiras invadiam a intimidade dos meus pensamentos e do meu sentir eu não soube mais como reagir a isso. Não consigo reagir, não consigo conviver... E me pergunto: o que fazer?

Adaptação deixou de ser uma opção há muito tempo. Cada tentativa que fiz em me adaptar fracassou miseravelmente e terminou em crises de identidade dolorosas. Toda a vez que eu tentava fazer parte do todo eu nem era igual a todos, nem era eu mesma. E quem era eu afinal? Perder a identidade é alguma coisa de assustador...

Agora o meu dilema é bem outro. Sabendo quem eu sou e quem eu não consigo ser, fica a questão: Como?  Como manter a identidade da pessoa que eu sou, sem violentar minha consciência e intimidade com mentiras e fingimento?

Tudo o que sei é que estou cansada. Cansada demais de me debater entre quem eu sou e quem eu deveria ser... Por que eu simplesmente não sou igual a todo mundo? Seria muito mais fácil... Mais fácil para todos.



- Postado por: Luh Moon às 20h48
[ ] [ envie esta mensagem ]


♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・




E se todas as flores perecessem?
E se o sol escurecesse?
Seriam em vão os suspiros?
E os beijos dos amantes?
E se no horizonte nada houvesse?
Sem o balanço da brisa
E sem os sabores do vento?
E se os balidos infantis calassem?
E se do céu as nuvens caíssem?
As estrelas se apagariam?
A lua escureceria sua luz?
E se a noite fosse treva?
E se as trevas não cessassem?
E se a vida fosse eterna?
E se a Senhora nunca chegasse?...



- Postado por: Luh Moon às 21h50
[ ] [ envie esta mensagem ]


♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・




 

Um inocente retirado de sua paz e descanso.

Perdido num mundo estranho e hostil.

Doente, triste, fraco.

Incapaz de lutar, incapaz de resistir, imóvel.

A tortura lhe arranca a alma da carne

E o juízo da mente...

Resta-lhe dor e tormento.

Nas noites insones de pesadelos

Crescem sombras assassínias

E os temores acudem ao espírito indefeso.

Os olhos embaçados e confusos de lágrimas

Não vêem nada além de escuridão

E o coração enregelado e transpassado de agonia

Quase não pulsa no peito frio e vazio

Está vivo! E aí esta seu castigo!

Não pode escapar a sua condenação

Se ser pessoa humana

De andar entre os homens

De conduzir sua vida como um deles.

Não pode fugir a sua sina

de respirar e ver e estar e ser.

Quisera apenas puder dormir

Em lençóis de negro cetim

E fechar os olhos...

Quisera poder morrer,

Apenas deixar de ser...

 



- Postado por: Luh Moon às 15h17
[ ] [ envie esta mensagem ]


♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・




Sem tempo

 

Ando sem tempo até para respirar, sorte minha que esse ato não depende da minha atenção, ele acontece naturalmente. Infelizmente quase todo o resto depende de mim e demanda tempo.

E tudo começa assim: acordar, 5h30min, pular da cama, escovar os dentes e tomar café! O café! O que antes era costume se transformou em necessidade! Às vezes não dá vontade de comer o pão ou o biscoito... Às vezes não dá tempo... E eu tomo outro café! Trocar de roupa, arrumar o material e sair de casa... Sair de casa!

Para mim a parte mais complicada! Endireitar a coluna, erguer a cabeça, cruzar a porta da frente e girar a chave. Deixar para trás o meu mundo e partir para o mundo lá fora...

Rua, ônibus, faculdade. Sala de aula. Aula, caderno, professor. Anotações, notas, atenção. Pessoas, vozes, risos. E logo o processo inverso: outro ônibus, de volta para casa.

Em casa, sem tempo, mais café, um banho, almoço. E começa tudo outra vez... De volta para a rua, mais um ônibus, o trabalho.

Outras pessoas, rotina. Às vezes bom e outras nem tanto. Minutos, horas, café, e o dia passa.

Vem a volta para casa, de volta ao meu mundo. Mais um café, quem sabe dois... É tarde, sem tempo... Trocar de roupa, talvez jantar. Não há tempo para mandar os emails, responder os recados, fazer as pesquisas e as tarefas...

Amanhã, quem sabe, se houver tempo...



- Postado por: Luh Moon às 19h43
[ ] [ envie esta mensagem ]


♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・ ♫*:..。♡*゚¨゚゚・


♫ Eu

Luh Moon
30 luas Porto Alegre /RS


Sob as bênçãos de Isis e da lua!
+ Luh por maioria de votos, Moon por preferência!
Renascendo! Buscando! Aprendendo!
Não sou quem você pensa,tampouco quem eu penso
Apenas sou...

Sou estupidamente feliz!
Não aceito infelicidade como realidade!

+ Eu vivo o agora! Por que o passado já foi e o futuro... quem sabe?
Estou sempre mudando, mas sou sempre a mesma pessoa!
Não levo a vida a sério, apenas vivo...
E eu ainda penso demais


+ Eu joguei fora o manual de instruções,
as máscaras que me deram,
matei os personagens que me atribuíram,
incendiei os papéis que me impuseram...


+ A rebelde da bandeira rota!
Aquela que dança sem música
Com o cabelo bagunçado e pés descalços
E que fala sozinha e canta pela rua
Aquela que diz o que ninguém quer escutar
E que sorri quando todos querem chorar
A criança que não cresceu
O adulto que não endureceu


+ Meu barro é duro e minhas cores são fortes
Mas por dentro sou da mesma matéria que você
    Coração, sangue e paixão


+ Sou seu pior pesadelo!
Sua dor de cabeça matinal
A razão que a sua razão desconhece
A inquietação insana
O profundo paradoxo de mim mesma
Só nós mesmos somos capazes
de nos fazer feliz ou nos fazer chorar
de nos magoar e nos perdoar
as escolhas são sempre nossas


Se você pensa que você pode
ou se pensa que não pode,
de qualquer forma voce está certo!



O Blog

Moon's Memories
Fundado No Dia: 11/03/08
Por: Luh Moon
(c)Cópia total ou parcial proibida.

♫Virtual

+ Orkut

+ Backstreet Fics - Comunidade

+ Twitter

♫Outras mentes

+ Inigualável

+ A Lua e a Estrela

+ A Filha do Feiticeiro no Jardim de Qintah

+ Devaneios de Carol

+ ”...no final tudo vai dar certo…”

+ Crâconis

+ Sombras Elétricas

+ Meditações de um Coração do Avesso

+ Rosas & Espinhos

♫Memories


17/06/2012 a 23/06/2012
25/09/2011 a 01/10/2011
14/08/2011 a 20/08/2011
07/08/2011 a 13/08/2011
13/02/2011 a 19/02/2011
06/02/2011 a 12/02/2011
19/12/2010 a 25/12/2010
14/11/2010 a 20/11/2010
07/11/2010 a 13/11/2010
19/09/2010 a 25/09/2010
12/09/2010 a 18/09/2010
05/09/2010 a 11/09/2010
25/04/2010 a 01/05/2010
28/02/2010 a 06/03/2010
21/02/2010 a 27/02/2010
07/02/2010 a 13/02/2010
31/01/2010 a 06/02/2010
17/01/2010 a 23/01/2010
10/01/2010 a 16/01/2010
03/01/2010 a 09/01/2010
27/12/2009 a 02/01/2010
20/12/2009 a 26/12/2009
13/12/2009 a 19/12/2009
08/11/2009 a 14/11/2009
20/09/2009 a 26/09/2009
06/09/2009 a 12/09/2009
30/08/2009 a 05/09/2009
23/08/2009 a 29/08/2009
16/08/2009 a 22/08/2009
09/08/2009 a 15/08/2009
02/08/2009 a 08/08/2009
26/07/2009 a 01/08/2009
19/07/2009 a 25/07/2009
05/07/2009 a 11/07/2009
28/06/2009 a 04/07/2009
21/06/2009 a 27/06/2009
14/06/2009 a 20/06/2009
07/06/2009 a 13/06/2009
31/05/2009 a 06/06/2009
17/05/2009 a 23/05/2009
03/05/2009 a 09/05/2009
12/04/2009 a 18/04/2009
05/04/2009 a 11/04/2009
22/02/2009 a 28/02/2009
15/02/2009 a 21/02/2009
01/02/2009 a 07/02/2009
20/07/2008 a 26/07/2008
27/04/2008 a 03/05/2008
13/04/2008 a 19/04/2008
23/03/2008 a 29/03/2008
09/03/2008 a 15/03/2008


Música





Anna Tsuchyia
Rose

Contador

visitas


Créditos


Layout por:

Raila Spindola